quinta-feira, 9 de junho de 2011

Bomba falsa no escritório da Air France-KLM, Peru

Comunicado:

Em 3 de junho, fizemos uma chamada de advertência de colocação de uma bomba falsa no escritório da Air France-KLM com sede em Lima, Peru. Foi informado aos trabalhadores desta empresa sobre os sórdidos negócios que ela tem com a Huntingdon Life Science [que tortura e mata 500 animais todos os dias em experimentos], transportando Animais para aberrantes experiências.

Eles foram avisados desta escória e que cortem suas relações com a HLS, do contrário... BUM! ESCRITÓRIO.

Da próxima vez não será apenas uma chamada.

Frente de Libertação Animal – Peru



Fonte: ANA - Agência de Notícias Anarquistas

segunda-feira, 30 de maio de 2011

A volta do Navio Negreiro

Na terça-feira 24 de maio de 2011, firmou-se, assinada e no papel, a volta dos navios negreiros aos mares do Brasil. Em vez do tradicional África - Brasil, os novos navios farão o trajeto Brasil - Turquia. O primeiro a zarpar sairá de Santa Catarina em julho, levando a bordo 4 mil escravos bovinos.

Esses animais, de até um ano de idade, atravessarão o Atlântico imobilizados em um porão. Chegando à Turquia, passarão por meses de engorda no sistema intensivo (o animal fica confinado) e caminharão pelo corredor da morte.

O acordo de exportação foi firmado entre a União de Importadores e Exportadores de Carnes e Derivados da Itália (Uniceb) e a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). E, como disse o secretário de Estado da Agricultura, João Rodrigues, "até o próximo ano, pretende-se exportar 20 mil bovinos". - Link para matéria do SC 24H

Navio negreiro (também conhecido como "navio tumbeiro") é o nome dado aos navios de carga para o transporte de escravos (...). O navio possuía pouca higiene, os escravos habitavam o porão destes, presos a correntes. Era tão grande que levava em média quatrocentos africanos amontoados, mal alimentados e em péssimas condições de higiene. O cheiro era quase insuportável, o espaço era mínimo, embora o navio fosse muito grande, pois eram muitos escravos num mesmo navio. Os "donos" dos escravos pouco se importavam com isso. - Wikipédia


Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho
Em sangue a se banhar
Tinir de ferros... estalar de açoite...
...
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!

- O Navio Negreiro, Castro Alves


Daquele que humildemente lhes fala
pelos irmãos que não podem fazê-lo,
Alfredo


sábado, 14 de maio de 2011

A batalha digital contra o comércio de peles no Brasil

Sabendo de toda a crueldade que envolve o processo de fabricação de peles verdadeiras, o consumidor brasileiro não ficou calado. Protestos a nível nacional estão fazendo as empresas recuarem no uso de peles... e essa onda gigantesca de manifestações comoçou com frases de apenas 140 caracteres.

Após ficar mais de 48h no Top Trends do Twitter –a lista de temas mais comentados no momento-, a Arezzo firmou o compromisso de não usar peles em coleções futuras e retirar todos os produtos com pele de suas lojas. Bingo! O ativista brasileiro acabara de descobrir uma nova ferramenta.

O VegTemas surgiu para organizar essa ferramenta, pelo Orkut e Facebook são combinados dias e horários específicos para Twittar uma tag específica, com objetivo de subir aos Trends e dar visibilidade ao movimento.

O primeiro Twittaço aconteceu no dia 27 de abril, e a tag escolhida foi #colcci. Em apenas quatro horas de protesto digital, antes mesmo de chegar aos TTs, a Colcci postou uma nota em sua página oficial do Facebook alegando que não utilizaria mais peles em suas coleções, e que o único produto com pele verdadeira, uma bolsa, seria retirada de circulação.

Depois de uma vitória como essa, os ativistas se animaram ainda mais!

A próxima empresa ecolhida foi Le Lis Blanc. Depois de 4hrs nos Trends, com 12.900 Twitts do Brasil todo, a tag #LeLisBlood passou uma mensagem forte à empresa: Nós não queremos peles. A Le Lis, que já vinha apagando comentários no Facebook, não se manifestou... ainda.

Hoje, chegou a vez da M. Officer. O presidente da empresa, Carlos Miele, disse em uma palestra que “Os animais devem ser consumidos até o osso”. A frase virou quase um slogan da empresa nas comunidades pelos animais do Facebook. Preocupados, os assessores de imprensa da M. Officer emitiram um comunicado dizendo que “respeitam” os animais e as peles são “sobra” da indústria da carne. Parece que eles precisam de um dicionário...


O Twittaço começou às 9h da manhã e promete continuar ao longo do dia.

Twitte a tag #M_Officer e grite para o comércio de peles que aqui ele não tem vez.

http://www.youtube.com/watch?v=u-28__TFnEY


sexta-feira, 29 de abril de 2011

O que houve com o coelho da páscoa?

Da etiqueta de um casaco de peles...



Do manual de abate...
Com o coelho pendurado pelas pernas, de cabeça para baixo, corta-se a sua cabeça, permitindo uma boa sangria, melhorando o aspecto e a qualidade da carne. Com uma faca bem afiada, faz-se um corte circular em cada uma das pernas traseiras, na altura da articulação do calcanhar, cortando somente a pele. A partir desses cortes faz-se um novo corte em V seguindo a parte interna das coxas, circundando o ânus e os órgãos genitais. A pele pode ser deslocada com as mãos, sendo puxada de cima para baixo, saindo inteira, pela cabeça. Nas patas dianteiras também é feito um corte circular somente na pele para removê-la totalmente. Logo após a esfola, as peles devem ser imersas em água limpa, para evitar a aderência de sangue nos pêlos, o que deprecia a carcaça, principalmente as de cor branca.

Trecho do Trabalho Carne de Coelho, dos Projetos Multidisciplinares do Curso Superior de Tecnologia em Agropecuária: Agroindústria do Polo da UERGS em Encantado LINK




Calo-me. Nada mais precisa ser dito.

PROTESTE aqui!

Daquele que humildemente lhes fala
pelos irmãos que não podem fazê-lo,
Alfredo

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Qual o preço da vida?

No Mercadão Municipal de Campinas, um real. Aqui, uma moeda que não compraria nem um pacote de chicletes compra uma vida... uma vida e muito sofrimento.

Entre as carcaças de peixes com olhos vidrados e morros de gelo, ergue-se uma pilha de caixotes plásticos velhos, de um amarelo forte, que chama a atenção. No caixote de cima, uma massa cinzenta se movimenta lentamente, quase uma maré em dia sem vento, movimentos constantes e lentos... mas, ao contrario da maré, aqui eles são lentos de agonia. Agonia de cerca de 50 caranguejos VIVOS, amarrados por cordões de um plástico desfiado em filas de doze, longe da água, longe da areia, do cheiro do mar.

Eles estão nessa situação há no mínimo cinco dias, quando saíram de Santos, em um caminhão aberto, sob o sol quente. Uns em cima dos outros, foram amarrados por redes numa viagem de duas horas e meia de vibração do motor, escuridão, medo, desespero dos parceiros. Os caranguejos não têm ouvidos como os nossos, mas têm um sentido mais aguçado nos pêlos das patas que faz com que sintam as mudanças na vibração da água e pressintam o perigo ou aproximação da comida. Imagine esses pêlos hiper-sensíveis captando as vibrações de um caminhão há 120 Km/h.

Às vezes, a genética e a natureza são um grandes infortúnios. Para esses caranguejos, a resistência física é um pesadelo. A viagem poderia matá-los e poupá-los do sofrimento, mas não, fracos e quase sufocando, chegam vivos na peixaria. Manipulados sem nenhum cuidado, é comum ver patas amputadas no fundo das caixas amarelas. As partes com mais “carne” são a pinça e o corpo, logo, para o vendedor, um caranguejo com sete patas em vez de oito não é problema. Mas para os aleijados, é. Crustáceos têm sistema nervoso desenvolvido, o que significa que ter uma pata arranca dói tanto para eles quanto para nós.

Caranguejos respiram da mesma forma que os peixes, por brânquias. São aberturas na carapaça que filtram a água e retiram dela o oxigênio usado para sobreviver. É por isso que vivem perto do mar ou mangue, quando a carapaça começa a secar, eles correm para umedecerem-na de novo. Eles literalmente respiram água. E não tem água nas caixas amarelas das peixarias a não ser quando os vendedores lembram de esguichá-la. Isso significa que, na cidade quente, os caranguejos dispostos como produtos para venda estão sufocando aos poucos.

O vendedor anunciar que estão frescos é anunciar que eles foram capturados de três a cinco dias atrás. Para alguém que se dê ao trabalho de perguntar, o vendedor também há de dizer que o preço de uma “corda”, com doze caranguejos amarrados, é de R$ 12. Doze reais, por doze vidas. O preço da vida é um real.

Por um real, pode-se comprar um animal vivo que sofreu por cinco dias com o calor, sufocando amarrado aos seus semelhantes, de ponta cabeça, sem as patas, tentando escalar a caixa amarela. Alguém se aproxima e eles imediatamente retraem os olhos, como se não olhar fosse salvá-los da morte que os aguarda. Caranguejos são cozinhados vivos na água fervente.

A seguir, algumas linhas de sites* ditos culinários, qualquer semelhança com filmes de psicopata... pode não ser mera coincidência:

Coloque o caranguejo ainda vivo numa panela com água fervente e tampe. Cozinhe durante cerca de 30 minutos. Deixe esfriar na mesma água em que foi cozido. Retire da panela, lave com água fria e esfregue novamente com a escova. Depois que estiver bem limpo, coloque o caranguejo sobre uma tábua, com as pernas viradas para cima. Retire cada perna torcendo a parte onde se junta ao corpo. ALMANAQUE CULINÁRIO

Parecidíssimos fisicamente, mas totalmente distintos no sabor, o caranguejo e o guaiamum reinam quando o assunto é petisco feitos com frutos do mar. São casquinhos, ensopados, fritadas, patolas, tudo feito com os "bichos". O guaiamum pode tranqüilamente ir para a panela vivo. [Tranquilamente? Tem certeza?] FÓRUM MUNDO DA GASTRONOMIA

24 unidade(s) de caranguejo (...) Os caranguejos estarão nos amarrados, inteiros e vivos. Coloque no fogo uma panela grande com água e espere que ferva. Junte os caranguejos pegando-os pela cordinha que os prende e coloque-os na panela tampando-a. Deixe que cozinhem até que estejam todos vermelhos. CYBER COOK

É importantíssimo nunca comprar caranguejos mortos. Perca um tempinho, mas acompanhe o processo de matar e limpar. PETIT CHEF


Sinceramente, acredito e espero que depois de tudo isso “comer um caranguejo” tenha uma conotação totalmente diferente, mais violenta e “com menos sal”. Também acredito e espero que um dia todos os crustáceos possam criar suas famílias e cavar suas tocas em paz. Que eles possam caminhar com suas patinhas laterais pelas areias da praia e do mangue. Que eles possam se relacionar com os vizinhos, respirar tranqüilos e usar os pêlos da pata para sentir a vibração da água, seu lar.

Daquele que humildemente lhes fala pelos irmãos que não podem fazê-lo,

Alfredo


! Lembrando que Campinas foi apenas o alvo da investigação, milhares de peixarias e restaurantes do Brasil todo servem caranguejos que passaram por suplícios se não piores, iguais aos descritos acima. !

Um vídeo dos caranguejos vendidos vivos no mercadão de Campinas está disponível aqui: Youtube do Alfredo

video

*Para comprovar a origem dos textos, foram feitos print screens de todos os sites, disponíveis aqui: Picassa do Alfredo

Fotos: EMBRAPA

Informações sobre a biologia dos caranguejos:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/crustaceos/crustaceos-4.php

http://museumvictoria.com.au/discoverycentre/infosheets/can-crabs-hear/

http://fotosdenatureza.blogspot.com/2009/08/caranguejo-uca.html

http://www.achetudoeregiao.com.br/animais/caranguejo.htm